Quando a desmotivação nos visita e bate à porta, nós podemos fazer três coisas: convidá-la a entrar, fechar a porta e ignorá-la ou sentir-nos gratos, sabendo que este é o momento para agir.


Se a recebermos, ela instala-se confortavelmente, e se deixarmos, ela simplesmente fica a viver lá em casa.

Se lhe fechamos a porta e a ignoramos, ela ficará sobre o tapete à espera, à espera, à espera que a porta se abra para ela poder entrar e ela acabará por entrar.

Se agirmos, avançamos fechando a porta e começamos imediatamente a fazer algo, seja subir ou descer as escadas. O importante é fazer.

Só que fazer por fazer, faz-nos muitas vezes fazer mais do mesmo.

E se antes de fazermos pensarmos “Porquê?”

Porque vou subir a escada? Porque a vou descer? Porque vou mudar de relação? Porque a vou manter? Porquê atingir este objectivo no trabalho? Porque quero fazer este investimento financeiro? Porque razão como tanto? Porque motivo tenho de começar a fazer exercício físico? Porque é importante para a empresa que eu atinja resultados? Porque é importante para mim?

Quando a desmotivação quer entrar, é bom que tenhamos clareza nos nossos objectivos, pois clareza é poder, e poder é sabermos exactamente o que queremos da vida. 

Quando temos um forte propósito e descobrimos o número de razões e porquês suficientes para fazermos aquilo que queremos, conseguimos manter-nos focados nos nossos objectivos.

O propósito dá-nos alma aos objectivos, aumenta-nos a capacidade de resiliência, impele-nos para a acção continua e focada, faz-nos transformar o impossível em algo que apenas demora mais algum tempo a acontecer.

Traga clareza para quilo que quer, descubra o número máximo de porquês para atingir o seu objectivo e entre em acção.

A motivação vive entre duas variáveis.

 

Mário Caetano
Coach & Palestrante Inspirador