As 3 coisas que precisas de largar para avançares no teu caminho

A 2ª coisa que precisas de largar para avançares no teu caminho

Percebe o que te prende e impede de avançar

Queres receber no teu email as 3 coisas que precisas de largar para avançares no teu caminho?

Entra para a nossa lista de conteúdos exclusivos e com prioridade

1ª coisa

Disponível

2ª coisa

Disponível

3ª coisa

Disponível ao terceiro dia

1ª COISA

Disponível

2ª COISA

Disponível

3ª COISA

Disponível ao terceiro dia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Reproduzir vídeo

Depois da coragem se ter revelado e ter entregue a minha carta de demissão senti um alívio gigante. Parecia que me tinham tirado um peso de cima e que conseguia caminhar mais leve. Mais livre.

Os efeitos de LARGAR AQUELA FRUSTRAÇÃO começaram a notar-se cada vez mais no meu dia. Brincava mais com as pessoas, sorria mais para os outros e encontrava soluções mais rápidas para os problemas que me apareciam. Sentia-me cada vez mais preparado para largar uma profissão de sucesso que abracei durante 10 anos seguidos e dar corpo às minhas novas ideias através do caminho do empreendedorismo.

Mas seguramente não estava preparado para o enorme desafio que a vida estava prestes a lançar-me… Aquela noite ficou gravada para sempre dentro de mim.

 

Após ter terminado de jantar com a minha companheira e com a nossa filha mais velha, recordo-me de observar a forma ternurenta como ela dava colo à nossa bebé.

Com todo o cuidado que uma bebé de 1 mês e meio merece, deitou-a ao comprido nos seus braços de barriga voltada para cima, enquanto permanecia sentada no banco de madeira ao lado da mesa quadrada de vidro fosco, quando num relance, a luz branca projetada pela lâmpada fluorescente da cozinha, revelou uma ténue opacidade num dos olhos da bebé.

De repente a sua expressão mudou, a respiração alterou-se e as suas lágrimas de mãe começaram a cair. Lembro-me como se fosse hoje…

Após uma visita urgente ao pediatra, seguida de testes oculares, o problema confirmou-se: a minha bebé tinha nascido com uma catarata congénita e não via de uma vista.

Dois meses depois da minha 2ª filha ter nascido e um mês antes de sair em definitivo da empresa, encontrava-me na sala de espera do bloco operatório do hospital, pronto a deitar aquele pequeno ser numa enorme maca metalizada forrada com um lençol branco e entregá-la à equipa de cirurgiões cuja missão era tentar recuperar uma pequena percentagem da sua visão. Tão pequena, que, tal como nos explicaram, a esperança prevista da percentagem recuperada era de apenas 7%.

No pós-operatório as noites foram dormidas no hospital e a recuperação foi lenta. E de repente tudo mudou.

Os ritmos todos se alteraram.

As noites tranquilas deram lugar a noites acordadas.

Os risos deram lugar a choros.

A serenidade deu lugar ao estado de alerta.

A confiança deu lugar à incerteza.

O entusiasmo deu lugar à dúvida.

E eu dei a mão a elas. Não sabia como, não sabia onde e não sabia quando, mas se nos mantivéssemos unidos haveríamos de conseguir ultrapassar aquela situação que a vida nos trouxe.

E não foi a única situação trazida pela vida…

Como empreendedor, eu queria fazer vingar as minhas ideias, fazendo a diferença e criando impacto positivo na vida das pessoas. Para isso contava com sonhos ambiciosos, com um plano delineado, estratégias audazes, uma forte vontade em construir uma equipa e um Propósito sólido que colava todas as restantes peças. Pensava eu…

Em Junho de 2008, com a minha bebé de 9 meses nos braços e enquanto esperava no banco do hospital pela consulta semanal de análise ocular, as lágrimas corriam-me pelo rosto, e perguntei-me:

Como é que isto aconteceu?

Como é que cheguei até aqui?

Como é que fali em 6 meses, duas das três empresas que criei?

Como é que perdi todas as minhas poupanças?

Como é que vou pagar as minhas contas?

E culpei…

Culpei os médicos por a operação ao olho da minha bebé não ter resultado.

Culpei a minha família porque não me apoiou.

Culpei os meus amigos porque muitos deles desapareceram.

Culpei o meu sócio e os meus novos colegas por não me terem dado a mão.

Culpei a crise por ter perdido tudo.

De 8 a 10 e 15 a 17 de novembro de 2019 vive a experiência que te vai libertar dos problemas, medos, dúvidas e inseguranças. Ganha clareza sobre o caminho a seguir no Retiro A Transformação com Mário Caetano. Clica na imagem para saber mais.

Quando sentimos dor, a culpa bate-nos à porta e facilmente a deixamos entrar. E rapidamente podemos pegar no dedo que está apontado aos outros e virá-lo para nós. E foi isso que fiz.

Culpei-me por não ter conseguido ter sucesso. Culpei-me por não ter conseguido encontrar soluções. Culpei-me por ter desiludido a minha companheira e por a ter colocado a ela e às minhas filhas numa situação de desespero.

Quando sentimos uma dor tão dilacerante que nos separa por dentro, buscamos culpados fora de nós para aquilo que nos está a acontecer, e culpamos os outros. O pai, a mãe, a família, o chefe, o médico, o condutor do carro da frente, e podemos não ficar por aqui…

Podemos encontrar a culpa também em algum evento que nos aconteceu, como uma crise, um acidente, um casamento, um divórcio, uma traição, ou por fim…

Por fim culpamo-nos. A nós. Porque não conseguimos, porque desiludimos, porque fraquejámos, porque nos encolhemos, porque nos escondemos…

A culpa impede-nos de ver a nossa luz, porque nos empurra para uma escuridão. Infinita.

Mas podemos curá-la. Podemos transformar a dor da culpa em algo maior. Algo benéfico. Algo que nos ajude a encarar o dia de amanhã com esperança. Foi isso que o Hélder fez. De forma corajosa. De forma verdadeira.

Esta é a sua história.

Foi assim que ele se LIBERTOU
do sentimento de culpa

CULPA é a 2ª das 3 coisas que precisamos de largar para avançarmos no nosso caminho.

A culpa faz-nos paralisar, isola-nos dos outros, faz-nos sentir sozinhos, pequenos e insuficientes.

Espero ter-te ajudado a perceber como é importante e urgente LARGAR A CULPA, mas, tal como ontem, quero colocar-te estas duas perguntas que te vão ajudar no teu caminho:

1 – Quando é que sentes culpa?

2 – E se não sentisses essa culpa, sentias o quê?

Parabéns por teres chegado até aqui. E amanhã…

Amanhã vai ser revelador. Amanhã vais descobrir a 3ª e ÚLTIMA COISA que precisas de largar para avançares no teu caminho.

Um abraço inspirador.

Mário Caetano
Coach, autor e palestrante inspirador

Queres ser avisado no Messenger quando a ÚLTIMA COISA QUE PRECISAS DE LARGAR estiver disponível?

Então clica no botão

© 2019 MÁRIO CAETANO | Feito por ELEVATE

50%

Olá! aqui é o Mário caetano,

preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a ajuda do Mário Caetano nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.

Preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a ajuda do Mário Caetano nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.

Olá!
aqui é o Mário caetano,

preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a minha ajuda nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.