As 3 coisas que precisas de largar para avançares no teu caminho

A 1ª coisa que precisas de largar para avançares no teu caminho

Percebe o que te prende e impede de avançar

Queres receber no teu email as 3 coisas que precisas de largar para avançares no teu caminho?

Entra para a nossa lista de conteúdos exclusivos e com prioridade

1ª coisa

Disponível

2ª coisa

Disponível ao segundo dia

3ª coisa

Disponível ao terceiro dia

1ª coisa

Disponível

2ª coisa

Disponível ao segundo dia

3ª coisa

Disponível ao terceiro dia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Reproduzir vídeo

Em Junho de 2007, com a iluminação do quarto de hotel a meia luz, refletia sobre todas aquelas situações que me aconteceram durante a viagem que tinha escolhido fazer para encontrar as respostas que tanto procurava.

Com o caderno de apontamentos aberto sobre a cama, escrevi as seguintes perguntas:

Como posso sentir mais realização e preenchimento no meu caminho?

Como posso encontrar o meu caminho?

Nessa noite, TOMEI UMA DECISÃO que mudou totalmente a minha vida e me fez entrar num caminho jamais imaginado. Estava pronto para voltar a casa.

Após ter regressado da minha viagem e de ter voltado à rotina diária, procurava dentro de mim a coragem para comunicar ao meu diretor a decisão que tinha tomado. Não era nada fácil chegar ao pé dele e dizer-lhe olhos nos olhos que agradecia tudo o que ele tinha feito por mim, mas que estava na hora de encontrar o meu caminho. Não era nada fácil abandonar um local que tanto me tinha dado. Não era nada fácil largar uma rotina instalada durante anos e avançar para algo desconhecido.

As razões para o fazer eram as mais nobres possíveis:

Precisava de voltar a sentir-me entusiasmado por aquilo que fazia. Precisa de estar em contacto com a minha essência. Precisava de fazer algo que me preenchesse e com que me sentisse feliz. Precisava de me sentir em paz.

Passaram dias, semanas, e a decisão continuava por comunicar. Porque o medo era maior que a minha coragem e porque os pensamentos continuavam a vir à cabeça e a roubar-me aquilo que mais queria: a minha paz de espírito.

Pensamentos que ocupavam todo o espaço existente. Pensamentos que me dividiam interiormente. Pensamentos que se repetiam vezes sem conta e que assumiam vozes dentro de mim. Vozes que me diziam:

Tens um trabalho seguro, porquê mudar?

Que história é essa de encontrares o teu caminho?

Do que é que vais à procuras? O que é que te falta?

E se não conseguires?

E se falhares?

Como é que vais sustentar a tua família?

A paz de espírito que mais precisava parecia mais longe, e no espaço deixado vago por ela crescia agora a frustração.

A frustração por me continuar a faltar a coragem.

A frustração por não conseguir sair do mesmo sítio.

A frustração por ter contado a minha decisão a alguns amigos e me terem criticado e chamado de maluco.

A frustração por parecer que ninguém me compreendia.

A frustração por ficar irritado com as crianças quando chegava stressado a casa do trabalho.

A frustração por gerar insegurança no relacionamento com a minha companheira.

Sim, a frustração atua de forma transversal e não poupa ninguém à sua passagem. E por norma, esta frustração é descarregada em cima das pessoas mais próximas e que menos merecem: as que vivem lá em casa.

Os relacionamentos são profundamente afetados pela incapacidade de transmutarmos toda a frustração que vive dentro de nós. “Quem paga é o outro”, é uma expressão que se adequa aquilo que eu vivi, pela falta de coragem em comunicar uma decisão que interiormente eu sentia.

Como lidar então com a frustração?

Lembro-me de ter vestido uns calções, colocado uma t-shirt e agarrado num par de ténis, mesmo antes de bater com a porta de casa. E corri.

Corri para fugir de mim, para terminar de vez com aqueles pensamentos, para tirar aquele peso que sentia no meu peito. Corri e gritei. Gritei muito.

Gritei porque me faltava a coragem. Porque a dúvida me apertava. Porque a paz não chegava.

Gritei até o vento levar as palavras. Gritei até o sol queimar os lábios. Mas não parei. Por isso continuei. A correr. A gritar. Na esperança da frustração passar.

No regresso a casa reforcei a decisão, independentemente da frustração. Abri a porta, falei com a minha companheira e com a minha filha e pedi. Pedi perdão por tão infundada reação.

Como lidar então com a frustração?

Com verdade. A verdade do coração.

De 8 a 10 e 15 a 17 de novembro de 2019 vive a experiência que te vai libertar dos problemas, medos, dúvidas e inseguranças. Ganha clareza sobre o caminho a seguir no Retiro A Transformação com Mário Caetano. Clica na imagem para saber mais.

No início de Setembro de 2007 nasceu a minha 2ª filha. Tinham passado 2 meses desde a minha tomada de decisão em me despedir. As responsabilidades aumentaram e nesse momento a comunicação da decisão tornou-se ainda mais difícil.

Quando prolongamos uma decisão tomada sem a assumirmos nem a comunicarmos, prolongamos uma dor, acentuando-a ao ponto dela se tornar insuportável.

Acordamos com ela.

Conduzimos com ela.

Almoçamos com ela.

Reunimos com ela.

Respiramos com ela.

Fingimos que está tudo bem, com ela.

E por fim, adormecemos com ela.

Para no dia seguinte voltarmos a repetir tudo.

A não ser que esta dor, mascarada de frustração, nos separe tanto interiormente que decidimos ter chegado o momento. O momento para AVANÇAR.

E esse momento chegou dia 1 de Outubro de 2007, 3 meses depois de ter tomado a decisão. Frente a frente, com toda a coragem e determinação comuniquei a minha decisão, abandonando a minha dor e frustração. Daí a 3 meses, sairia de uma empresa com salário garantido no final do mês e abraçaria num novo caminho. O do empreendedorismo. E tudo ficou mais claro. E tudo ficou mais leve. E eu fiquei em paz. Aquela que tanto procurava.

E isto não aconteceu só comigo. Acontece com muitas pessoas com quem eu me cruzo todos os dias, como a Filipa. Esta é a sua história e convido-te a vê-la.

Era por isto que ela se sentia frustrada
no seu relacionamento

FRUSTRAÇÃO é a 1ª das 3 coisas que precisamos de largar para avançarmos no nosso caminho.

A frustração destrói a paixão nos relacionamentos, impede-nos de sermos criativos na nossa profissão, corrói a saúde, afasta-nos da nossa família e faz-nos perder a nossa paz de espírito.

Eu sei que é importante e que queres mesmo saber as 3  COISAS QUE DEVES LARGAR, mas por hoje gostava que refletisses na 1ª coisa a largar e que respondesses a estas duas perguntas:

1 – Em que situações do teu dia costumas sentir frustração?

2 – Porque é importante para ti largares a frustração? (escreve todas as razões que te lembres)

Desejo-te boas respostas e…

Amanhã revelar-te-ei a 2ª COISA que precisas de LARGAR para avançares no teu caminho.

Um abraço inspirador.

Mário Caetano
Coach, autor e palestrante inspirador

Queres ser avisado no Messenger quando as próximas 2 COISAS QUE PRECISAS DE LARGAR estiverem disponíveis?

Então clica no botão

© 2019 MÁRIO CAETANO | Feito por ELEVATE

50%

Olá! aqui é o Mário caetano,

preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a ajuda do Mário Caetano nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.

Preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a ajuda do Mário Caetano nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.

Olá!
aqui é o Mário caetano,

preparado para desbloqueares aquilo que te prende e ganhares coragem para avançares no teu caminho com a minha ajuda nesta experiência de 6 dias? Faz o teu registo.