Quando determinadas pessoas me pediam algumas coisas com as quais eu não estava à vontade para fazer, o meu comportamento era… adiar a resposta dizendo-lhes que mais tarde lhes dizia algo, chegando ao ponto delas me telefonaram para obter uma resposta e eu simplesmente não lhes atender o telefone.

Adiava o mais possível e evitava a todo o custo dizer “não quero, não estou interessado”.

Acontecia com saídas à noite, com escolhas de restaurantes, com locais para correr e treinar, com tarefas para entregar e com outros compromissos.

Acontecia com conhecidos, acontecia com desconhecidos, acontecia também com as pessoas que mais amava.

Porque me sentia tão mal e porque não conseguia dizer não?

Um dia percebi. Percebi que não tinha nada a ver com os outros. Tinha só a ver comigo. Era a relação comigo que precisava de trabalhar.

Não dizia “não” no momento que devia dizê-lo e por consequência adiava a resposta, a tarefa, o compromisso. Fazia-o porque queria que os outros gostassem de mim e não queria quebrar a ligação com as pessoas.

Mas quebrava-a comigo. Percebi que adiava por medo. De mim mesmo. De desiludir os outros. Medo de ser rejeitado e ficar só. Medo de deixarem de gostar de mim.

Com o passar dos anos descobri que apenas se não fores tu, conseguirás agradar aos outros. Sim, leste bem. Se estás a tentar agradar a todos, jamais conseguirás ser tu, e a consequência é passares ao lado de uma vida de preenchimento e realização.

Mas podes mudar isso como aconteceu com estas pessoas. Estas pessoas descobriram como transformar o adiamento na sua vida em verdadeiro preenchimento.

Na sua saúde, nos seus relacionamentos, na sua carreira e com as suas finanças. Entre outras grandes descobertas, estas pessoas desbloquearam os seus problemas e ganharam coragem para avançar.

aqui neste link o vídeo, ou se preferires vê já em baixo, do que estas pessoas disseram e como se sentiram.

 

 

Desejo que pares de adiar e que ganhes coragem para avançar.

Desejo que sejas tu.

Desejo-te um dia inspirador.

Mário Caetano