Pensar sempre Positivo
O neurocientista Richard Davidson conduziu durante mais de uma década um estudo no V.M. Keck Laboratory for Functional Brain Imaging and Behavior. O resultado do estudo mostrou que escolher de forma consciente pensamentos e emoções específicos mudava a estrutura e a forma do cérebro trabalhar. Quando os participantes sentiam “amor e compaixão” os cérebros mostravam uma frequência de cerca de mais de 40 HZ gamma no córtex prefrontal do que na maioria das pessoas. Os cérebros entravam em acção e construíam novas ligações e novos caminhos neuronais. Richard Davidson chegou à conclusão de que as emoções positivas estão directamente ligadas ao aumento de inteligência.  Descobriu, também, que investir 10 minutos do dia a focarmo-nos em pensamentos positivos e felizes faz com que a inteligência aumente e a boa disposição apareça. Isto ajuda a que se sinta positivo durante o dia de trabalho. O dia passa mais rápido porque se sente feliz, está mais divertido e pensa positivo.
 
 

Fazer exercício físico
Exercício físico sempre fez com que as pessoas se sentissem melhor. Exercícios de aeróbica aumentam quer a circulação sanguínea quer a criatividade, bem como a compreensão de nova informação. As pesquisas têm revelado que aqueles que fazem exercício são mais criativos e possuem melhor memória que aqueles que não fazem qualquer tipo de exercício. O exercício físico torna-o mais criativo mais produtivo e com melhor performance enquanto se encontra no activo.

Livre-se das distracções
Em cerca de 80 casos clínicos o Dr. Glenn Wilson, um psiquiatra da King’s College London University descobriu que os trabalhadores que se distraem com telefonemas, e-mails e sms sofrem de uma grande diminuição de Q.I. como se fumassem marijuana. O Q.I. daqueles que se distraem no local de trabalho com a tecnologia enquanto trabalham desce cerca de 10 pontos. Valor que é mais do dobro que perderiam se tivessem acabado de fumar um charro. O grau de diminuição de inteligência é mais significativo nos homens. Para manter a sua inteligência no topo não veja as suas mensagens até fazer um intervalo.

Tenha uma alimentação correcta
Muitos estudos demonstram que ingerir antioxidantes suficientes na dieta tem efeitos significativos nas funções cognitivas. Recomenda-se um pequeno almoço de proteínas para elevar os níveis de serotinas que produz as hormonas que nos mantém despertos. Se se sentir sem energia durante um dia de trabalho, coma uma barra energética ou uma fruta para despertar. Mantenha uma garrafa de água por perto e mantenha-se hidratado durante o dia.  A hidratação é importante para evitar dores de cabeça e manter o seu corpo funcional.

Exercite o cérebro
Todos sabemos que o exercício físico nos faz bem, e o exercício mental? Pode fazer exercício ao usar o seu cérebro de novas formas como aprender uma nova língua,  fazer o sudoku ou entrar em debates temáticos. Tudo isto faz com que se fortaleçam as sinapses e os caminhos neuronais. Outras das formas de exercitar o cérebro inclui actividades como: quebra-cabeças, ler vocabulário diferente, ou fazer actividades com a mão que não utiliza frequentemente (por exemplo comer com a mão esquerda se o fizer normalmente com a direita). Se der mais trabalho ao seu cérebro vai fortalecer novos caminhos neuronais que envolvem a solução de problemas e inteligência.

Tenha uma boa noite de sono
Todos sabemos que uma sesta não basta para nos colocar o cérebro a funcionar, isto só acontece com uma boa noite de sono. Os peritos recomendam 8 horas de sono para que o cérebro funcione em pleno durante um dia de trabalho. Um estudo da  “National Sleep Foundation” revelou que metade dos trabalhadores dos Estados Unidos. afirmam que a falta de dormir interfere com a quantidade de trabalho que fazem. 20% dos trabalhadores dos Estados Unidos afirmam que não dormir bem faz com que cometam mais erros. Dr. William C. Dement especialista em sono afirma que todos nós devemos ter uma hora de sono por duas das que estamos acordados. Se dormirmos menos uma hora por dia entramos num saldo negativo de sono. Estas horas de sono em atraso podem ter um peso enorme nas nossas emoções, Q.I., cognição e habilidades mentais.

 

Equipa Mário Caetano