É muito interessante como algumas pessoas celebram a chegada das sextas-feiras e dos fins de semana. Para muitas pessoas é o alívio de todo sofrimento, ansiedade e mal estar do martírio semanal.

Se isto é verdade, passam em média, 2.600 horas por ano (10 horas por dia x 260 dias úteis) a fazer algo que não traz satisfação ou não dá um sentido maior para as suas vidas. Em 30 anos de trabalho serão 78.000 horas a rezar para que a semana termine rapidamente e a sonhar com a reforma.

Nem parece que o poder desta mudança está nas nossas escolhas, nas nossas mãos. É mais fácil dizer que a vida é mesmo assim e que as obrigações e responsabilidades nos obrigam a isso. Afinal, se fizermos uma retrospectiva, é fácil perceber que a situação actual é fruto das nossas escolhas ao longo da vida: escola, faculdade, casamento, filhos… Para todas as situações existe uma saída! Para ter resultados diferentes precisamos fazer novas perguntas e coisas diferentes: o que faz a minha vida valer à pena? Como posso procurar um propósito maior?

Isso não significa que tem de abrir mão de tudo o que conquistou ou seguir o caminho da Madre Teresa. Um propósito para sua vida pode ser, por exemplo, prestar um serviço com excelência, desenvolver pessoas, novas tecnologias a serviço da humanidade, preparar uma boa comida etc… A real satisfação virá quando existir um interesse genuíno em fazer algo que verdadeiramente o apaixone e que o coloque ao serviço das outras pessoas.

 
No livro Delievering Happiness de Tony Hsieh, a busca da felicidade pode ser dividida em 3 categorias:

1 – Procura por prazer – É o tipo de felicidade onde existe a constante procura de algo a mais. É como uma droga que dura pouco, mas quando os estímulos diminuem a felicidade desaparece. É óptimo se puder ter uma vida de um astro de rock’n’roll com estímulos constantes, mas é muito difícil de manter ao longo do tempo.

2 – Procura por uma paixão – Esse tipo de felicidade é conhecida como o clímax. Você nem sente as horas passarem e tem total dedicação a determinada actividade. É uma felicidade que dura mais que a procura por prazer, mas como toda paixão é atenuada em curto prazo.

3 – Procura por um propósito maior – Este é o tipo de felicidade onde fazemos parte de algo que tem um significado maior. É a felicidade do amor, com longa duração.

 

Muitas pessoas passam a vida a perseguir os prazeres e pensam que somente quando puderem sustentá-los poderão, em seguida, procurar uma paixão e finalmente um sentido maior. Entretanto, com base em pesquisas feitas recentemente, a estratégia mais adequada seria o oposto: primeiramente a procura de um propósito maior, seguido de uma paixão e finalmente a celebração com pequenos prazeres.

Com novas perguntas, com perguntas poderosas pode encontrar as respostas para procurar e seguir algo que faça a sua vida ser mais saudável e ter sentido. Depois é planear e colocar a mão na massa! Acção Acção! Acção!

No Retiro 6 dias para Acontecer de 6 a 11 de Junho em Estremoz, vamos através de estratégias simples e profundas, ajudá-lo a libertar a faísca que incendiará novamente o seu desejo, para obter os resultados que diariamente pretende. Vai criar e alcançar a visão para a sua vida. Vai descobrir o que o apaixona verdadeiramente, qual o seu propósito maior e ser feliz!

 

Equipa Mário Caetano